Acessibilidade com Leitor de Telas. Parte II

Neste post vamos abordar de que forma desenvolvedores e designers podem utilizar boas praticas para que o leitor de tela possa ler o conteúdo dos navegadores sem problemas e interrupções.

Conforme pesquisas do IBGE e dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), estima-se que existam cerca de 180 milhões de deficientes visuais em todo o mundo, sendo que, 45 milhões são cegas e 135 milhões apresentam algum tipo de baixa visão. Já no Brasil, segundo o IBGE, o Censo 2000 contabilizou 148 mil cegos e mais de 16 milhões de pessoas declararam ter algum tipo de dificuldade para enxergar. 

Em um ambiente Web existe a necessidade de se preocupar com diversas regras que visa beneficiar a todos e inclusive facilitar o trabalho do leitor de telas, fazendo uma listagem dos mesmos, podemos citar :
·         Dimensionamento do Texto (não pode fonte muito pequena).
·         Estes Textos devem ser escritos de maneira clara e objetiva, ou seja, não podem ser muito extensos e a regra de acentuação deve ser respeitada.
·         Legibilidade, ou seja, contraste entre a escrita e o plano de fundo da escrita.
·         Utilização da Tag “ALT” nas imagens, somente desta maneira o Leitor pode dizer o que significa a imagem.
·         Utilizar a Tag “TITLE” para descrever os títulos das paginas, pois no caso de um sistema de busca a descrição do titulo é que vai orientar o usuário para onde ele deseja.
·         Utilização das teclas de atalho definidas pelos desenvolvedores e a navegação corrente utilizando a tecla “TAB” como principal fonte.
Em verdade a maior recomendação aos Desenvolvedores e Designer é criar conteúdos que possam ser apresentados de diferentes maneiras (por ex., uma disposição mais simples) sem perder informação ou estrutura. Um bom exemplo utilizado no protótipo é a adaptação do código CSS(Cascading Style Sheets) onde é possível verificar que as duas imagens possuem uma ordem cronológica igual na seqüência de leitura e desta maneira não há perda na estrutura.
Criar menus acessíveis utilizando os Skip Links, também conhecido como Jump Links, são links para outra parte da mesma página. A sua função é possibilitar que os usuários possam navegar pela página.
Por fim deixar o HTML e o CSS devidamente validado, de acordo com as regras W3C, e ainda sim alguns browser como por exemplo o Internet Explorer ainda sim apresentarão bugs e deformações que irão dificultar o trabalho do leitor de telas.
Por hoje é só pessoal, em nosso próximo post o Terceiro e ultimo sobre leitores de tela, irei falar em definitivo sobre o Leitor de telas CPqD e como vocês podem configurar e utilizar em seu sistema operacional.
Share

Acessibilidade com Leitor de Telas. Parte I

Ano passado, ainda cursando Tecnologias para Internet, foi proposto um trabalho de acessibilidade para deficientes, que fosse educativo e benéfico para a comunidade, diante do desafio os três grupos da turma se dividiram para atender aos dois tipos de deficiência, o surdo e o deficiente visual.

Coube ao meu grupo o desafio de beneficiar o Deficiente visual que inclusive não gostam de ser chamado desta maneira, por incrível que pareça eles preferem a palavra “cegos” como definição, mas isto não vem ao caso agora. Propomos um site de e-commerce, partimos então para a pesquisa de campo, como um cego pode utilizar o computador, navegar na internet sem utilizar o mouse ou se orientar pelas paginas?

Foi neste momento que conhecemos os leitores de Tela, isto mesmo, trata-se de um software que tem por missão fazer leitura dos conteúdos na tela, desde a inicialização do sistema operacional até o browser e demais conteúdo de página.

Projeto audacioso não? Muito importante, por isto o governo brasileiro decidiu investir nesta parte e desenvolveu um leitor de telas que recebeu o nome de “CPqD – Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações”.
O Ponto fraco desse software é a voz de robô que pode se tornar enjoativa e algumas falhas que ele contem de leitura, no entanto é bastante intuitivo e fácil de configurar, justamente por não possuir muitos recursos, e por fim é totalmente gratuito. Posteriormente vou ensinar onde baixar e como utilizar o CPqD.
Claro que existem outros leitores de tela no mercado, porém eles leitores são pagos, muito mais sofisticados, e de longe lembram a voz de robô que te faz sentir vontade de rir. Não! Eles não são assim, suas configurações são mais avançadas. Dentre estes leitores estão o DOSVOX( que não é só um leitor de telas mas um pequeno sistema operacional desenvolvido pela UFRJ) e o JAWS que permite ao usuário trabalhar com diferentes versões do sistema operacional Windows e com seus aplicativos sendo este um produto americano, porem capaz de sintetizar o texto apresentado na tela em nove idiomas, inclusive no português do Brasil. É o leitor de tela mais caro do mercado.
Cada passo da instalação do programa é falado ao usuário, oferecendo orientações e permitindo que seja selecionado o idioma para leitura das telas. Desta forma, a instalação também pode ser realizada com autonomia por uma pessoa com deficiência visual.
Este inclusive é utilizado por deficientes que são Operadores de Telemarketing da empresa OI, fiquei sabendo desta informação enquanto assistia ao TVBUS(BHTRANS), e uma das reportagens era com um deficiente, utilizando este sistema e falando da importância no trabalho dele, e que conseguiu se adaptar bem, neste caso a OI merece os parabéns(risos), pois está fazendo com que o trabalhe chegue aos deficientes o que é muito raro em empresas.
Você internauta pode não se interessar por conhecer os leitores de tela, pois com certeza está pensando que utilidade poderia ter, mas deixo a sugestão, experimente qual é a sensação de navegar na internet com os olhos fechados, tampados, na qual o seu guia é apenas um leitor de telas e a utilização de teclas de atalho(adeus mouse). Você vai aprender a valorizar um pouco mais os deficientes e entender um pouco de como é difícil encarar certas coisas.
Bom pessoal este é o primeiro post de uma série de três, no próximo pos (Parte II)irei falar sobre como os Desenvolvedores e designers podem facilitar o trabalho dos leitores de tela em conteúdos WEB, pois certas configurações são necessárias. No POST de Parte III irei ensinar onde baixar e como configurar o CPqD.
Até a próxima.
Share